GT A VISIBILIDADE DAS RELIGIOSIDADES AFROBRASILEIRAS EM FAZERES CULTURAIS, POLÍTICOS E/OU PEDAGÓGICOS, PARA ALÉM DOS TERREIROS

GT A VISIBILIDADE DAS RELIGIOSIDADES AFROBRASILEIRAS EM FAZERES CULTURAIS, POLÍTICOS E/OU PEDAGÓGICOS, PARA ALÉM DOS TERREIROS

Coordenação:

  • Alexandra E. V. Alencar
  • E-mail: xanda.alencar@gmail.com
  • Lattes: http://lattes.cnpq.br/1463037286528609

 

  • Charles Raimundo da Silva
  • E-mail: charle.301@gmail.com
  • Lattes: http://lattes.cnpq.br/3692653752380942

Comentários:

  • Díjna Torres
  • Lattes: http://lattes.cnpq.br/6258019093260458

RESUMO

As religiosidades afrobrasileiras estão presentes nos mais variados fazeres culturais, políticos e ou/pedagógicos, ganhando outros espaços para além dos terreiros. Nosso grupo de trabalho tem como objetivo reunir pesquisas que discutam essa visibilidade e apresentem iniciativas vinculadas às religiosidades afrobrasileiras. Dentro desta perspectiva, encontramos agentes culturais vinculados ou não aos rituais e fundamentos das religiões de matriz africana, disputando espaços e recursos, através de suas práticas alicerçadas na religião dos orixás, caboclos, encantados e outras entidades. O GT convida a todos/as interessados/as em compartilhar suas pesquisas neste campo, a fim de construir reflexões sobre o se apropriar e/ou ressignificar, bem como a traçar encaminhamentos que assegurem o reconhecimento e valorização das religiões de matriz africana e suas lutas dentro e fora do Estado-nação brasileiro.

Palavras-Chaves: religiosidades afrobrasileiras; cultura; política.

 

Comunicações aprovadas e ordem das apresentações:

 

DIA 12/10/2018

Vovó Maria do Sul de Minas e Tio Quincas nas aulas de História numa escola pública da Zona Oeste da Cidade do Rio de Janeiro

Emanoel Campos Filho (UFF)

 

O encontro com Augusto Omolú: Conversas sobre teatro, ritual, arte e vida a partir da experiência de pesquisa da dramaturgia da dança dos orixás

Julianna Rosa de Souza (UDESC)

 

A noção de bem estar afrobrasileiro a partir da “Vivência Xirê: sentidos criados no fazer”

Alexandra E. V. Alencar (UFSC)

 

Ori, Iwa, Ogbón – Valores de conduta social dentro da cultura Yoruba

Ana Paula Cardoso da Silva (SOL/SC)

 

Diálogos brincantes: infâncias emergentes no Batuque jeje-ijexá

Ana Paula Evaristo Russi (UFSC), Patricia de Moraes Lima (UFSC) e Apoliana Regina Groff (UFSC)

 

DIA 13/10/2018

Transversalidades entre religião, gênero e etnia: Pensando educação em Direitos Humanos para crianças

Ricardo de Lima (UFABC) e Wilson Colcheschi Neto (UFABC)

 

“Faço num apito os tambores falar…”: Cultura, política e religiosidade nos fluxos e contra fluxos das práticas de ensino/aprendizagem de Mestres de maracatu

Charles Raimundo da Silva (UFSC)

 

“Eu sou porque nós somos”: Experiências do emocionar nas aprendizagens umbandistas

Wagner dos Santos Chagas (UNISINOS)

 

Memória e Umbanda: A trajetória do vereador, curador e umbandista José Cupertino em São Luís do Maranhão

Márcia Andrea Teixeira da Silva (UEMA)

 

Fóruns civis de fés de matriz africana como possibilidade de movimento – resistência democrática em tempos de recrudescimento jurídico

Guilherme Andrade dos Santos (UFSC)

 

Religiosidade de Matriz Africana – Organização e luta social na garantia dos direitos

Vanda Gomes Pinedo (MNU/SC)

 

Acesse, curta e compartilhe:

Site da ABHR           #ABHR          Canal da ABHR no Youtube         

 Facebook da ABHR 2018           Instagram da ABHR 2018           Twitter da ABHR 2018